Públio Athayde

  • “Conhecem alguém simpático a cujo sodalício tenha o Excelso Pretório atribuído a pecha de quadrilha?”
    Públio Athayde
     
  • “Existe decisões que podem ser pautadas por opinião, preferência, gosto, simpatia. Inclusive decisões eleitorais. Há partidos de todas as cores, bigodes (ou buços) de todos os matizes. Mas que se excluam das opções as quadrilhas que têm registro de partido político.”
    Públio Athayde
     
  • “Não votem em condenados, seus sequazes, seus cúmplices, seus apaniguados. Criminosos, assim declarados por suprema manifestação da justiça, não são opção eleitoral de gente decente. Essa questão não é de opinião, mas de princípio; não é caso de preferência, mas de berço; não estamos tratando de gosto, mas de decência; não é foro de simpatia, mas...” (continue)(continue lendo)
    Públio Athayde
     
  • Não sei que medo as pessoas têm da palavra bunda. Usam todo tipo de infantilização da língua para evitá-la. Bunda é bunda mesmo, do quimbundo: "mbunda": quadris, nádegas.
    O quimbundo é língua da família banta, falada em Angola pelos ambundos.
    Trocar a bunda do quimbundo dos ambundos por bumbum é descartar a abundância por bundância

    Públio Athayde
     
  • “Já pensaram em quantas peruas vão ficar viúvas que para os cristão comemorem o Natal?”
    Públio Athayde
     
  • “Às vésperas do fim do mundo, quero descobrir se ele é um evento, um episódio ou se será apenas um fato. Será comemorada essa efeméride?”
    Públio Athayde
     
  • “O primeiro sinal de ficar adulto é tirar a roupa para dormir com alguém. O segundo sinal é dormir sem tirar a roupa.”
    Públio Athayde
     
  • “Se eu me desmaterializar no fim do mundo, podem me encontrar depois por aqui na forma de pentadodecaectoplasma. Ectoplasma é para os fracos.”
    Públio Athayde
     
  • “Eu não tenho o menor interesse na vida alheia, exceto quando estou alheio a minha própria vida.”
    Públio Athayde
     
  • “Com o corporativismo que grassa no Brasil, até para ser um bosta tem que passar no exame de fezes!”
    Públio Athayde